terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Educação Gay- É UMA ESCOLHA ? (Gay Education - Is It A Choice?)

Video :
Educação Gay (Gay Education - Is It A Choice?)
Um video educativo que busca tratar sobre a questão da homossexualidade...
Muito util para exibir em sala de aula para iniciar uma discussão mais aprofundada sobre as questões de gênero.


Fichamento: MÉTODO MÉTODOS CONTRAMÉTODO – Regina Leite Garcia

Fichamento: MÉTODO MÉTODOS CONTRAMÉTODO – Regina Leite Garcia
(organizadora)

Por Henrique Bezerra de Souza

GARCIA, Regina Leite (Org.) (2003) Método métodos contra-método. São Paulo: Cortez.

“Para nós é difícil entender como a transformação de uma concepção
astronômica pode comover tão profundamente uma sociedade.” (p. 25).
“É por isso que a emoção básica sobre o qual se construiu o pensamento
cartesiano é o temor do caos, o desejo de extirpar o erro, a procura da certeza,
a necessidade de garantias.” (p. 26).
“A consciência e o temor a equivocar-se impulsionam Descartes a empreender
a viagem da dúvida metódica que o leva ao ‘ego cogito’, à afirmação do seu ser
Sujeito.” (p. 26).
“Propõe-se então construir um novo edifício desde os alicerces, sem confiar em
nada que não seja o seu ‘bom senso’, ou a razão, já que supõe que dessa
maneira a sua construção não terá o mesmo destino calamitoso que a
grandiosa obra de São Tomás.” (p. 27).
“A herança cultural não é optativa, não se pode...

BAIXE O TEXTO AQUI:
http://www.4shared.com/file/182932408/44907db2
/FICHAMENTO_MTODO_MTODOS_E_CONT.html

I.INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO DE SOBRE PIERRE BOURDIEU


INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO DE SOBRE PIERRE BOURDIEU

Dr. Geovani Jacó de Freitas

As idéias de Bourdieu são construídas em profícuo diálogo com os pais da sociologia Marx,
Weber e Durkheim, e também com Levi Strauss.
A partir do final dos anos 40 o pensamento marxista entre em crise na França. Nesse
contexto, dá-se ascensão do estruturalismo, com Levi Strauss, a partir dos estudos das
sociedades primitivas (a perspectiva de análise estruturalista parte do pressuposto de que
não se age e não se pensa a não ser sob as estruturas das quais os sujeitos dependem e estão
submetidos).
Isto implica reconhecer a humanidade como um jogo de cartas (Ou seja, a estrutura é
universal e cada sociedade a manipula de acordo com as suas possibilidades). Logo, tudo é
universal e varia de acordo com o lugar e o tempo. Por exemplo, a beleza, o ciúme etc.
A noção é a de que o homem é agido pelas estruturas e age sobre elas. O homem sendo
influenciado por elas.
Em Bourdieu, podemos perceber estes aspectos tomando como exemplo alguns de seus
pontos de vista em relação ao papel da escola e o acesso dos indivíduos aos bens culturais.
Para ele, o acesso à educação e a apropriação dos bens culturais pelos indivíduos está
relacionado à hierarquização à qual cada um está submetido nas relações de classe (o lugar
que cada indivíduo se localiza nas estruturas de classe).
Para Bourdieu, o que interessa é saber por que as coisas se dão dessa maneira.
Para responder a essa questão, desenvolve uma análise através da identificação de três
classes sociais e as estatísticas que diferenciam a apropriação dos bens culturais a partir
das posições de classe: (as três classes sociais são: a classe dominante [a grande
burguesia]; a classe média; e o proletariado)....

BAIXAR O TEXTO AQUI:
http://www.4shared.com/file/182931825/13b83507/MTP_IINTRODUO_AO_PENSAMENTO_DE.html

Fichamento sobre o texto "A Utopia Urbana" + Video: Ciclo América Viva, "América Urbana"


Fichamento sobre o texto: A Utopia Urbana
Um Estudo de antropologia social
Gilberto Velho, Zahar, 6ª Ed, 2003.


feita por Pedro Jorge Chaves Mourão

1)Quais os objetivos ou questões da pesquisa:
“Pretendo, com este livro, dar inicio a uma série de trabalhos sobre o meio urbano, com uma
abordagem antropológica.” P.1
“Copacabana continua sendo um bairro emblemático carregado de significados para toda a
sociedade brasileira. (...) Copacabana expressa, dramaticamente, problemas de interação, convívio
e tensão social.” P.3
“É preciso saber que critérios presidiram esta opção e como eles se apresentam.” P.22
“Não é preciso ser nenhum gênio para perceber, de saída, que estamos lidando com uma
problemática de prestigio e status.” P.23
“Cabe então descer a níveis mais profundos e procurar quais foram os símbolos que
puderam ser manipulados e de que forma podem-se apresentar. Esta é uma tarefa constantemente
retomada no decorrer deste trabalho.”P.24
“É preciso agora contextualizar alguns destes dados apresentados. Como se traduze em
termos de realizações sociais?Como se relacionam com o fato de ‘existirem’ no Estrela?”P.43 . . .
BAIXAR TEXTO AQUI:
http://www.4shared.com/file/182932445/5e4dc40b/antropologia_III_UTOPIA_URBANA.html


___________________________________________________

VIDEO

Ciclo América Viva: "América Urbana"




"Metrópoles. Cidades Complexas", conferência por Gilberto Velho, Museu Nacional/UFRJ, comentada por Manuel Costa Lobo, do Centro de Sistemas Urbanos e Regionais do Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa. Dia 29 de Novembro de 2007, na Casa da América Latina, em Lisboa."

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Obrigado a todos,





OBRIGADO A TODOS e TODAS,
Pelos 5131 acessos que continuamente estão aumentando.
Pelos 1026 acessos por mês.
Pelos 256 acessos por semana
pelos 36 acessos por dia...
Isso quer dizer que conseguimos provar que
a ciência pode ser interessante que as pessoas a buscam
que a gente não tem cede só de água.

Quando fiz esse blog não esperava nada, fiz por que achei que devia fazer...Somente.
Mas vi que vocês responderam de volta, e eu recebi emails dos EUA, da Europa e de Moçambique...
Fico muito feliz por saber que não sou o único no mundo que busca saber mais e dividir conhecimento para todos...
Como dizia o celebre professor Alfredo Poviña..
"Buscamos, uma ciência não histórica sobre um objeto histórico
uma ciência não psicológica sobre um objeto psicológico
uma ciência especial sobre um objeto geral
uma ciência natural sobre um objeto cultural
uma ciência espiritual sobre um objeto real
uma ciência antipositivista sobre um objeto positivo
uma ciência antinormativa sobre um mundo de fins."


PARABÉNS PARA VOCÊS, PARABÉNS PARA NÓS, PARABÉNS A CIÊNCIAS SOCIAIS


E como já dizia o sábio, "construa e eles viram".
Vocês vinheram, fica a dica no ar ;) forte abraço a todos
Ass.: Pedro Jorge Chaves Mourão, o editor.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Provas de Mestrado e Doutorado

Aqui vão as questões de algumas provas que colhemos com os candidatos que passarm no mestrado de 2008 e 2009 da UFC em Sociologia e algumas provas da IUPERJ (Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de janeiro) nas áreas de Sociologia e Ciência Política:


METRADO UFC 2003

            Dentre as quatro questões que se seguem, responda três, sendo que as duas primeiras são obrigatórias:

1.  Partindo da idéia segundo a qual não há neutralidade nas ciências sociais, pergunta-se: como o cientista social pode garantir a objetividade na produção do conhecimento?
[Responda, apoiando-se em um (ou mais) dos autores mencionados na bibliografia referida no edital alusivo a esta Seleção].

2.  Qual o tratamento teórico dado ao trabalho por Karl Marx e por Max Weber?

3. Levando em conta a estrutura de classes da sociedade brasileira, utilize os conceitos de burguesia nacional (Florestan Fernandes) e fundo público (Francisco de Oliveira), para analisar a “prioridade fome zero”, estabelecida pelo presidente eleito Luís Inácio Lula da Silva.

4. Com base nas argumentações de Sérgio Buarque de Holanda, em Raízes do Brasil, interprete a presença de práticas clientelistas, nas diferentes esferas da organização da sociedade brasileira contemporânea.

Observação: esta prova terá duração de 04 horas.


DOUTORADO UFC 2006



MESTRADO UFC 2008
1) Comente e relacione a metodologia nos clássicos (Durkheim, Marx e Weber)
2) Relacionar os autores da bibliografia com o seu tema de pesquisa e metodologia
3) comentar e relacionar o pensamento de Sérgio Buarque, em especifico, qual a relação entre família e estado em Sérgio Buaque (Sociologia brasileira).

MESTRADO UFC 2009

1. o pensamento sociológico clássico tem como referencia basica as transformações sociais advindas do capitalismo, no seculo XIX e inicio do de XX. Dentre as contribuições teóricas de Marx, Weber, e Durkheim, escolha duas delas e explicite sua lógica analítica destacando os conceitos fundantes...

2. discuta a dinâmica da pesquisa em ciênciais sociais, tomando como referência as indicações metodológicas de Pierre Bourdieu,Clifford Geertz, e Roberto Cardoso de oliveira.

3. Apresente uma reflexão sobre a formação da cultura brasileira, estabelecendo um dialogo com as interpretações de Brasil de Sergio Buarque e Gilberto Freyre.


DOUTORADO UFC 2011

01. Comente a concepção de sociedade e de indivíduo em Marx, Durkheim, Weber e Simmel, apontando as aproximações e diferenças que julgue significativas.


02. Tomando como referência as reflexões de Caio Prado Júnior, Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda, discorra sobre “esfera pública” e “estratificação social” no Brasil contemporâneo.

03. A partir de autores da bibliografia, reflita sobre dilemas epistemológicos e éticos no processo de produção do conhecimento social, relacionando a reflexão com sua proposta de pesquisa.

Fortaleza, Ce, 03 de novembro de 2010.


MESTRADO UFC 2011
1.Faça uma analise sobre poder e conhecimento em Weber, Durkheim e Foucault.
2.Descreva os modos de vida e os modelos de sociabilidade à partir do capítulo 2 de O capital e da obra os parceiros do rio bonito, com fundamento nas novas formas de sociedade capitalista
3. Construa uma analise das ciencias sociais acerca da tematica da musica "a dívida" de autoria do Crocco (http://letras.terra.com.br/o-rappa/75737/), abordando a bibliografia indicada quando cabível

DOUTORADO CIÊNCIAS SOCIAIS UFRN 2011
QUESTÕES:
1) A produção da “cultura” constitui-se entre seres humanos por uma relação simultânea e
contínua de práticas que, ao mesmo tempo, os diferencia e os iguala. Comparar o
debate de Clifford Geertz e Terry Eagleton, acerca desse aspecto, com as análises de
autores clássicos das Ciências Sociais (Max Weber, Karl Marx, Émile Durkheim, Lévi-
Strauss).
2) Identificar e explicar de maneira articulada os principais conceitos trabalhados por Karl
Marx em O Capital (capítulos indicados).
3) No Brasil, autores como Sérgio Buarque de Holanda e Antônio Cândido inauguraram
perspectivas que revelaram novos olhares sobre nossa realidade. Dissertar sobre suas
principais contribuições teóricas e metodológicas e sobre o processo de apropriação dos
clássicos das Ciências Sociais que estes desenvolvem.
CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO:
 Apresentação, clareza e definição correta de conceitos dos autores citados, pertinentes ao teor
da questão;
 Análise comparativa entre conceitos e autores;
 Definição de metodologias e sua localização histórica;
 Originalidade e capacidade de articulação;
 Domínio da língua portuguesa (estilo discursivo, gramática, vocabulário);
 Objetividade e poder de síntese.


_________________________________________________________________________________


PARA BAIXAR ESSAS PROVAS CLIQUE AQUI:
http://www.4shared.com/file/169412365/b8e7b67a/Provas_Seleo_mestrado_IUPERJ.html



INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE PESQUISAS DO RIO DE JANEIRO
Programa de Pós-Graduação em Ciência Política e Sociologia


Exame de Seleção
1994

Prova Escrita
Tempo de duração: 5 horas


1ª Parte: Análise de estrutura lógica de texto. (duração de 1 hora)

O texto, em anexo, é jornalístico, gênero que necessariamente envolve a retórica, o bom estilo e o anedótico. Contudo, é possível detectar no texto um argumento central. Faça um sumário do texto, procurando isolar tal argumento, bem como suas premissas e conclusões.
(Fonte: Revista Veja, 06/07/94)


2ª Parte: Redação de um ensaio. (duração de 4 horas)

Defina o que entende por um processo de democratização e estabeleça se a noção é ou não pertinente para dar conta analítica de eventos relevantes da história brasileira recente. Considere, além do mais, as seguintes dimensões:

!) a distribuição de renda e de riqueza;

2) a persistência de relações tradicionais de status em contexto de rápida modernização social;

3) as taxas de participação eleitoral;

4) a violência urbana, e

indique se e quanto elas são importantes em um processo de democratização, tal como definido, e para o processo de democratização no Brasil, se este for o caso.



INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE PESQUISAS DO RIO DE JANEIRO
Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política




Exame de Seleção
1995



Prova Escrita
Tempo de duração: 5 horas




Questão:

Discuta as principais transformações sociais e políticas ocorridas no Brasil a partir das décadas de 70 e 80, chamando atenção para suas principais causas e consequências. Sugere-se menção aos seguintes temas:

a) Estrutura social e desigualdades;
b) Estabilidade Política e Governabilidade;
c) Complexidade social e participação política.




INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE PESQUISAS DO RIO DE JANEIRO - IUPERJ
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA E CIÊNCIA POLÍTICA


EXAME DE SELEÇÃO
1996

Prova Escrita
Tempo de Duração: 5 horas

Questões:

1) Escolha uma entre as três questões de natureza teórica listadas abaixo.


1a) Examine as diversas formas pelas quais Durkheim e Marx tratam da relação entre Sociedade e Divisão Social do Trabalho.

1b) Compare a noção de desencantamento do mundo, tal como discutida em “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo” de Weber, com a maneira pela qual Tocqueville analisa a influência da democracia sobre a vida intelectual e os sentimentos dos norte-americanos.

1c) À luz das leituras de Dahl, Przeworski e Esping-Andersen discuta diferentes modelos de Democracia Política Contemporânea.



2) Escolha uma entre as três seguintes questões acerca da Sociologia Brasileira.


2a) Discuta o estatuto teórico do patrimonialismo no Brasil em Raymundo Faoro, Simon Schwartzman e José Murilo de Carvalho.

2b) Analise as relações entre sociedade e instituições políticas no Brasil a partir das contribuições de Oliveira Vianna e Victor Nunes Leal.

2c) Descreva as grandes linhas das transformações sociais no Brasil desde o pós-guerra até 1980. Discorra sobre a conexão entre padrões de mobilidade e desigualdades sociais.







INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE PESQUISAS DO RIO DE JANEIRO
Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política



Seleção 1997

Prova Escrita
(Tempo de duração: 5 horas)



I. Responda a uma das duas questões abaixo:


a) O indivíduo ocupa lugar central na teoria social de Weber e de Durkheim, mas por razões diversas. Em um caso o indivíduo é o motor das transformações sociais; no outro, as individualidades são resultado dessas transformações. Explique essa diferença.


b) As relações entre as classes, a centralização político-administrativa, a natureza das crenças e ideologias, e o papel dos intelectuais são alguns dos fatores que estão na origem da Revolução Francesa e do Bonapartismo, tal como estudados por Tocqueville e Marx, respectivamente. Identifique as características dos dois fenômenos – a Revolução Francesa e o Bonapartismo – e esclareça o lugar dos fatores acima referidos no tipo de explicação adotada por cada autor.




II. Responda a uma das duas questões abaixo:


a) Discuta a noção de modernização em Sérgio Buarque de Holanda, Oliveira Vianna e Wanderley Guilherme dos Santos. Dê especial atenção:

1 - ao processo de diferenciação social;
2 - à incorporação dos trabalhadores (escravos e/ou homens livres na
Sociedade em modernização;
3 - às suas consequências para a modernização política e social.


b) Discuta o processo de formação e desempenho dos partidos políticos brasileiros no período 1945-64. Enfatize os seguintes aspectos:

1 - o papel do Estado;
2 - possíveis associações com fatores sociais, tais como: urbano/rural, classes e diferenças de renda.



Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro
Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política

Seleção 1998





Prova Escrita
(Tempo de duração: 5 horas)



I - Responda uma questão do conjunto abaixo:


1- Considerando a literatura sobre coronelismo, patriarcalismo e patrimonialismo, em quaisquer de suas definições, discuta em que região do quadrângulo de Robert Dahl esses sistemas ou modelos se situariam e porquê?

2- Admitindo-se que a produção de um bem publico pode ser empreendida privadamente, quais as condições para que isso ocorra seja por um indivíduo altruísta, seja por um egoísta ? E uma vez produzido este bem público, por que a existência do "carona" se torna um problema para a ação coletiva ? (Lembre-se que no texto recomendado na bibliografia foi usada a seguinte notação: "benefício ou bem público"=Bp; "benefício ou bem privado"=bp; "custo de produzir um benefício ou bem privado"=Cbp; "custo de não produzir
um benefício ou bem público"=Cnbp).

3- Parte importante da literatura contemporânea de ciências sociais afirma ser o comportamento individual a unidade básica de análise. Entretanto, existem diferentes formas de entendimento da ação individual para a promoção da ordem sócio-política. Exponha algumas destas formas, assim como suas implicações para a análise social a partir dos textos de Elster e Boudon.

II – Responda uma questão do conjunto abaixo:


1- Tal como descrito por Vitor Nunes Leal, o coronelismo era um sistema, um arranjo societário em que todos saíam ganhando: governantes, porque se reproduziam no poder por meio dos votos controlados pelos coronéis; coronéis, porque o sistema lhes assegurava, dos governantes, recursos materiais e de poder que permitiam o controle estrito sobre suas clientelas; e clientelas, porque, depauperadas e incultas, tinham no coronel o benfeitor que lhes "dava" condições mínimas de sobrevivência. Por esta análise, o sistema parecia fechado o suficiente para perpetuar-se. Mas isto não se deu. Que razões centrais são apontadas por Leal, Maria Isaura Pereira de Queiroz e José Murilo de Carvalho para a derrocada do coronelismo no país ?

2- A democracia representativa é fenômeno relativamente recente. A experiência dos Estados Unidos da América, da Europa Ocidental, e dos países da América Latina hoje considerados democráticos é bastante diversificada. Ciclos de autoritarismo e democracia ou trajetórias políticas estáveis são algumas das possibilidades encontradas na história desses diferentes países. Discuta esta diversidade de experiências de acordo com a bibliografia sugerida.



Prova Escrita – 1999
(Tempo de Duração: 5 horas)


1ª Questão: obrigatória

Compare as perspectivas de Oliveira Vianna e Vitor Nunes Leal sobre ordem pública e ordem privada no Brasil.




2º Questão: Escolha uma das questões abaixo.

a) Compare a forma como Bourdieu e Boudon analisam a relação entre educação e estratificação/modalidades sociais.

b) Compare a noção de método em Durkhein e Weber.

c) Em que medida a obra de Polanyi pode dar conta daquilo que Harvey chama de “condição pós-moderna”.



INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE PESQUISAS DO RIO DE JANEIRO
Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política


Seleção 2000

Prova Escrita
(Tempo de duração: 5 horas)



1. Escolha uma das questões abaixo:


a) Caracterize o que em Weber se enuncia como padrão autodestrutivo da racionalização social.


b) Como Durkheim fundamenta a questão da racionalidade no trânsito da forma mecânica para a forma orgânica da solidariedade social?


c) Após exposição da lógica da ação coletiva na visão de Olson, explique porque a arrecadação de impostos pelo Estado não pode depender da obediência espontânea dos cidadãos.



2. Escolha uma das questões abaixo:


a) Confronte o entendimento do liberalismo paulista tal como se expressa em Simon Schwartzman e Florestan Fernandes.


b) Discuta os impactos produzidos pelo presidencialismo de coalizão, na linha do trabalho de Figueiredo e Limongi, e pela judicialização da política, tal como aparece no livro de Werneck Vianna e alii, sobre a prática da democracia no Brasil contemporâneo.


c) Faça uma análise das transformações na estrutura social brasileira, enfatizando os processos de mobilidade e os aspectos da desigualdade social e racial.

3. Responda a questão abaixo.

Em 1912, o Titanic, em sua primeira viagem cruzando o atlântico, bateu em um iceberg e afundou. Alguns passageiros escaparam do navio em botes salva-vidas, mas muitos morreram. Pense no desastre do Titanic como um experimento sobre como as pessoas naquela época se comportavam quando enfrentavam uma situação na qual apenas alguns podem escapar. As informações sobre quem sobreviveu e quem morreu é a seguinte (os dados ignoram alguns poucos passageiros a respeito dos quais a situação econômica é desconhecida):

Homens Mulheres
Status Morreram Sobreviveram Morreram Sobreviveram
Alto 111 61 6 126
Médio 150 22 13 90
Baixo 419 85 107 101
Total 680 168 126 317

Analise estes dados na forma que achar conveniente. O que você pode dizer a respeito da sociedade daquela época a partir desta análise?



INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE PESQUISAS DO RIO DE JANEIRO
Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política



Seleção 2001

Prova Escrita
(Tempo de duração: 5 horas)


1) Discuta a relação entre Cidadania e Classe Social em Marx e Marshall.


2) Escolha uma das duas questões abaixo:

a) Qual a relação entre Taxas de Sindicalização e Poder Sindical em duas vertentes da literatura selecionada?

b) Como pensar a relação entre Corporativismo e Liberalismo na História Republicana Brasileira?


3) Escolha uma das duas questões abaixo:

a) Como se poderia articular Processos de Centralização Administrativa e Democracia a partir de Giddens e do Pensamento Social Brasileiro Clássico?

b) Como se articulam Mudança Social e Institucionalização Política no Pensamento Social Brasileiro?



INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE PESQUISAS DO RIO DE JANEIRO
Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política



Seleção 2002

Prova Escrita
(Tempo de duração: 5 horas)


1) Tendo como referência os textos de Dahl, Habermas e Weber, discuta a noção de democracia a partir dos eixos da institucionalização, representação e espaço público.


2) Escolha uma das duas questões abaixo:

a) Compare a forma pela qual Gilberto Freyre e Florestan Fernandes examinam o processo de modernização brasileira ao longo do século XIX.

b) Discuta a relação entre o público e o privado em Maria Sylvia de Carvalho Franco e Victor Nunes Leal.

3) Escolha uma das duas questões abaixo:

a) Discutir, utilizando os textos de Wanderley Guilherme dos Santos e Gláucio Ary Dillon Soares, o processo de construção institucional democrática no Brasil.

b) Com base na bibliografia sugerida, discuta a articulação entre estrutura social e instituições políticas no processo de democratização no Brasil.





INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE PESQUISAS DO RIO DE JANEIRO
Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política



Seleção 2003

Prova Escrita
(Tempo de duração: 5 horas)



1) O welfare state pode ser pensado como um estado de compromisso entre capital e trabalho, baseado na tríade crescimento econômico, pleno emprego e distribuição de renda via políticas sociais. Discuta esse arranjo tendo em vista a experiência internacional e a especificidade do caso brasileiro.


2) Uma disjuntiva definidora dos debates teóricos desde o século XIX é a relação entre vida social e ação política, esta última adquirindo lógica própria em alguns autores, que postulam a autonomia do político. Examine pelo menos três autores em que este problema aparece de forma relevante.


3) Segundo uma interpretação corrente, o Brasil é um país de história lenta, em que as transformações econômicas e sociais estiveram por muito tempo sob controle estatal e de elites pouco comprometidas com os valores de mercado. Outra visão, também presente na literatura, vê no mercado (ou na ordem social competitiva) um elemento revolucionário das relações tradicionais de poder, apontando para a modernização crescente das relações sociais no país. Discuta essas duas abordagens, privilegiando as tensões e relações entre tradição e modernidade no Brasil.


INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE PESQUISAS DO RIO DE JANEIRO
Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política



Seleção Mestrado - 2004

Prova Escrita
(Tempo de duração: 5 horas)



1) Responda uma das questões abaixo:

a) “Agrade ou não a certos teóricos, o fato é que a sociedade humana não é homogênea, que os homens são diferentes física, moral, intelectualmente; queremos estudar aqui os fenômenos reais, portanto devemos levar em conta esse fato.” (Vilfredo Pareto, Trattato di Sociologia Generale, 1923).
Como a afirmativa de Pareto pode ser analisada à luz das interpretações de Rousseau e de Sen sobre as desigualdades sociais?

b) Os livros de Charles Tilly e Barrington Moore são exemplos de análises sobre a dimensão temporal de processos sociais. Que mecanismos sociais são utilizados por esses dois autores para explicar os regimes políticos resultantes desses processos?

c) Karl Marx e Friedrich Engels, em célebre passagem do Manifesto, representaram o capitalismo como um processo invencível e dotado do atributo de revolucionar o conjunto da vida social: à sua passagem, nenhuma relação social permanece intocada e inalterada. Karl Polanyi, em registro distinto e posterior, considera o mesmo processo, a cujos efeitos aplica a imagem de "moinho satânico", da autoria do poeta William Blake.
Procure combinar as abordagens de Marx-Engels e Polanyi na caracterização da grande transformação e de suas implicações para a reconfiguração da sociedade.



2) Responda uma das questões abaixo:

a) Os Alemães, de Norbert Elias, e O Antigo Regime e a Revolução, de Alexis de Tocqueville, são textos que possuem múltiplas faces e vias de entrada. Uma delas diz respeito ao papel das crenças na configuração da vida social. Trata-se de um dos ângulos mais fecundos de ambas as obras. Destaque e considere os argumentos, presentes nos textos, que lidam com o problema sugerido.

b) Tendo em vista as leituras enumeradas no edital, compare o que Marx e Tocqueville têm a dizer sobre a revolução. Quais as diferenças principais e quais os pontos de concordância dos pensamentos desses dois autores?

3) Responda uma das questões abaixo:

a) Discuta comparativamente o que Florestan Fernandes e Carlos Hasenbalg têm a dizer a respeito do impacto da modernização e da industrialização sobre a discriminação do negro na sociedade brasileira.

b) Com base nos textos de Oliveira Vianna e Sérgio Buarque de Holanda, discuta as características do individualismo brasileiro e suas repercussões para a instituição de uma ordem democrático-liberal.





INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE PESQUISAS DO RIO DE JANEIRO
Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política

Seleção Mestrado - 2005

Prova Escrita
(Tempo de duração: 5 horas)


I) Responda à questão abaixo:

Desigualdade e pobreza foram tradicionalmente mensuradas em termos de renda. Discuta como os trabalhos de Sen e Putnam, contribuem, cada um a seu modo, para a revisão deste enfoque.


II) Escolha apenas uma das duas opções abaixo e responda:

a) Transformações globais recentes motivaram determinados sociólogos a repensarem a questão da modernidade. Discuta o tema à luz das contribuições de Harvey e Giddens.

b) Compare as concepções de Marx e Stuart Mill sobre a natureza da ordem política.


III) Escolha apenas uma das duas opções abaixo e responda:

a) Compare as análises de L. A. Costa Pinto e O. Nogueira sobre a situação da população negra no após-Abolição. Comente o tratamento que esses dois autores dão ao preconceito racial.

b) Analise o desempenho do sistema político brasileiro contemporâneo segundo as contribuições de Figueiredo e Limongi, e Werneck Vianna, Carvalho, Melo e Burgos.


Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política
Seleção Mestrado – 2006
Prova Escrita

Observações:
 Tempo de duração: 5 horas. Tolerância de 15 minutos para preenchimento do questionário.
 Prova a caneta. Não serão aceitas provas a lápis.
 Não colocar o nome na prova. Somente o número de inscrição. Caso não saiba favor consultar com o examinador.

Escolha 3 (três) das 4 (quatro) questões abaixo e responda:

1) Em seu livro Peças e Engrenagens das Ciências Sociais (1994) Jon Elster afirma que para ter plausibilidade, a teoria social deve se valer de uma explicação de como suas previsões se dão a partir “da ação e interação dos indivíduos” (Elster, 1989: 13). Partindo desta idéia examine como O. Vianna e Robert Michels fundamentam suas argumentações.

2) Considerando que na “Ciência e Política como Vocação” Max Weber associa a atividade política a um conflito irredutível de valores. Estabeleça uma conexão com o tratamento dispensado ao conceito de república por Maquiavel nos “Comentários sobre a Primeira Década de Tito Lívio”.

3) Compare as avaliações feitas por J. J. Rosseau e B. Constant a cerca da relação entre liberdade e propriedade.

4) Contraste a interpretação de Vitor Nunes Leal sobre a relação entre centro e periferia na vida política brasileira, com aquela oferecida por Tocqueville a respeito da democracia na América.






Seleção Mestrado – 2008
Prova de Escrita


Observações:

 Tempo de duração: 5 horas. Tolerância de 15 minutos para preenchimento do questionário.
 Prova a caneta. Não serão aceitas provas a lápis.
 Não colocar o nome na prova. Somente o número de inscrição. Caso não saiba favor consultar com o examinador.


Responda (2) duas das questões abaixo:


1. Considerando a bibliografia indicada, apresente sua avaliação a respeito das concepções objetivas e subjetivas da desigualdade brasileira.

2. Considerando a bibliografia indicada, compare a perspectiva TEÓRICA de Pierre Bourdieu e Anthony Giddens.

3. Considerando a bibliografia indicada, aplique a discussão de Lijphart à democracia brasileira.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

PROJETOS PARA MESTRADO APROVADOS

SELECIONAMOS ALGUNS PROJETOS QUE JÁ FORAM APROVADOS EM MESTRADOS NO CEARÁ, E ESTAMOS DISPONIBILIZANDO PARA DOWNLOAD COM A PERMIÇÃO DOS SEUS AUTORES.
A NOSSA INTENÇÃO É PODER AJUDAR FUTUROS MESTRANDOS NA CONSTRUÇÃO DOS SEUS PRÓPRIOS PROJETOS.
SE VOCÊS PERCEBEREM BEM OS PROJETOS DISPONIVÉIS AQUI TEM SEMELHANÇAS NA FORMA DA ESCRITA SUGIRO QUE QUEM QUISER FAZER UM PROJETO PARA MESTRADO, LEIA TODOS OS PROJETOS E A PARTIR DAI CONSTRUA O SEU E APROVEITE O QUE DE MELHOR ESSE INTELECTUAIS DEIXARAM EM SEUS PROJETOS PARA NOS.
PS.: CUIDADO, OBSERVEM PRINCIPALMENTE SE SEU PROJETO ESTARÁ DE ACORDO COM AS LINHAS DE PESQUISA DO MESTRADO DESEJADO....


Aglailton de Oliveira Magalhães/SOCIOLOGIA UFC 2010/
A CONCEPÇÃO DO POVO NO MAQUIAVEL REPUBLICANO

Alberto dos Santos Barros Filho/SOCIOLOGIA UFC 2010/ DO DELITO À LIBERDADE ASSISTIDA:
Aquiles Chaves de Melo/SOCIOLOGIA UFC 2009/
ENTRE O POPULISMO DA ESQUERDA BUROCRÁTICA E O
NEOLIBERALISMO DA ORTODOXIA CONVENCIONAL


André Mindoso/ Sociologia UFC 2010/NORMAS ESCOLARES vs ACTOR SOCIAL:UM ESTUDO SOBRE O ABANDONO ESCOLAR EM MOÇAMBIQUE, NO PERIODO 2005-08


Bruno Sampaio Sales/SOCIOLOGIA UFC 2010/


Carlos Vinicius Frota de Albuquerque/ SOCIOLOGIA UFC 2010/ 



CRISTINA PEIXOTO BATISTA/SOCIOLOGIA UFC 2010/ UM ESTUDO SOBRE AS CONCEPÇOES SOCIAIS DA MODA ENTRE MULHERES ARTESÃS DO POVO TAPEBA.


Daniel Valetim/ SOCIOLOGIA UFC 2010/ FUTEBOL DIGITAL E SOCIABILIDADE JUVENIL: UMA ETNOGRAFIA NOS CIRCUITOS DOS CYBER ATLETAS DE FORTALEZA.


David Moreno Montenegro/SOCIOLOGIA UFC 2008/
ECONOMIA POLÍTICA DO LIXO: NOS LIMITES DA PRECARIZAÇÃO DO
TRABALHO


Ercílio Langa/ SOCIOLOGIA UFC 2010/ Moradores de Rua, Vulnerabilidade e Risco diante da
Epidemia da AIDS em Fortaleza

Érika Bezerra de Menezes Pinho/ SOCIOLOGIA UFC 2010/ Entre Estigmas e Resistências Narrativas afetivas e trajetórias de vida de prostitutas idosas

GABRIEL AGUIAR DE ANDRADE/ SOCIOLOGIA UFC 2010/O SUPORTE VIDEOGRÁFICO NOS POVOS PITAGUARY E TAPEBA: MEMÓRIA, PRODUÇÃO E AFIRMAÇÃO DE IDENTIDADE ÉTNICA.

Jéssica Soares Silva/SOCIOLOGIA UFC 2009/As Práticas das Bandas Cabaçais do Cariri Cearense e as Re-significações do Conceito de Culturas Populares.


JOSÉ CLEYTON VASCONCELOS MONTE/ SOCIOLOGIA UFC 2010/DISCURSOS E PRÁTICAS DA CORRUPÇÃO NO BRASIL: UM ESTUDO A PARTIR DA CPMI DOS CORREIOS

Monalisa Soares Lopes/SOCIOLOGIA UFC 2009/

PT versus PSDB:
polarizações e aproximações na política brasileira recente


NARAH CRISTINA MAIA TEIXEIRA/ SOCIOLOGIA UFC 2010/ UMA ANÁLISE SOBRE O EXERCÍCIO DO TRABALHO PRECÁRIO NA COORDENADORIA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE/FUNCI - FORTALEZA-CE

Paulo Massey Saraiva Nogueira/ GEOGRAFIA UECE 2007/
A METRÓPOLE DIVIDIDA:
acumulação capitalista, planejamento urbano e segregação espacial em Fortaleza


P.J. Chaves Mourão /Políticas Publicas e Sociedade UECE 2010/ SOCIOLOGIA UFC 2010/
COMO SE FABRICA UM DEPUTADO?
UM ESTUDO DE CASO SOBRE A APRENDIZAGEM DO HABITUS POLÍTICO PELOS DEPUTADOS ESTADUAIS DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO CEARÁ.


Ricardo Gadelha de Oliveira Júnior/ SOCIOLOGIA UFC 2010/
A FORMAÇÃO DO HABITUS DE TORCEDOR DE FUTEBOL: LEALDADE E
CONSUMO NO ESTADO DO CEARÁ/


Marco Aurelio de Andrade Alves/ SOCIOLOGIA UFC 2010/ “Usos e práticas cotidianas na Praça de Fortaleza: entre políticas oficiais e re-apropriações no espaço público”

Nathalia Sobral de Sousa/ SOCIOLOGIA UFC 2010/
CARTOGRAFIAS LITERÁRIAS DO ENVELHECIMENTO FEMININO: FIGURAÇÕES DA MULHER VELHA EM CLARICE LISPECTOR, LYGIA FAGUNDES TELLES E ADÉLIA PRADO

Tiago de Oliveira Fragoso/SOCIOLOGIA UFC 2009/
O PAPEL DA PRÁTICA CULTURAL DA MÚSICA RAP NA SOCIALIZAÇÃO DE JOVENS PRODUTORES CULTURAIS PERTENCENTES AO MOVIMENTO HIP HOP
ORGANIZADO EM FORTALEZA – MH2O.





BOA SORTE E BONS ESTUDOS PARA TODOS

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Resultado concurso SEDUC para professores do estado na disciplina de Sociologia

DISCIPLINA 13: SOCIOLOGIA
Confira a lista de aprovados
Parabéns a todos e todas =D

http://www.cespe.unb.br/concursos/SEDUCCE2009/arquivos/ED_6_2009_SEDUC_CE21_RES_FINAL_OBJ_SOMENTE.PDF

1. Ana Carmem Aguiar Rodrigues, 48.75
2. Cicero Robson Pereira, 47.50
3. Roberto dos Santos da Silva,47.50
4. Francisco Oliveira Pascoal Junior, 46.25
5. Leonardo Lima Vasconcelos Carneiro, 46.25
6. Maria Rosalete Pontes Lima, 46.25
7. Gislania de Freitas Silva, 43.75
8. Francisco Daniel Rodrigues do Nascimento, 43.00
9. Helon Bezerra Moreira, 42.75
10. Francisco Edilberto Menezes Machado Neto, 42.50
11. Alberto dos Santos Barros Filho, 41.50
12. Maria Marilene Banhos Nogueira, 41.50
13. Francisco Talvanes Sales Rocha, 41.25
14. Ricardo Cesar Gadelha de Oliveira Junior, 41.25
15. Alana Caetano Freire, 40.50
16. Roberta Pereira Paiva Negreiros, 40.25
17. Ana Cristina Araujo de Vasconcelos, 40.00
18. Ellen Garcia da Silveira, 40.00
19.Emidio Fontenele de Brito, 40.00
20. Etelvina Maria Moura Costa, 40.00
21.Fernanda de Lemos Rocha, 40.00
22. Marcio Kleber Morais Pessoa, 40.00
23. Nacelia Pereira de Sousa, 39.50
24. Thiago Lima Ribeiro, 39.50
25. Antonia Ieda de Souza Prado, 39.00
26. Francisco Elson Araujo Lopes, 39.00
27.Augusto Monteiro Junior, 38.75
28. Francisca Rosania Ferreira de Almeida, 38.75
29. Gina Oliveira Dantas, 38.75
30. Reginaldo Nascimento da Silva, 38.25
31.Alexandre de Freitas Silva, 38.00
32. Daniel Costa Valentim, 38.00
33.Deuzimar da Silva Dantas, 38.00
34. Daniele Maria de Almaida Moura, 37.50
35. Elthon Rabelo Alves, 37.50
36. Jaina Linhares Alcantara, 37.50
37. Jenniffer Karolinny de Araujo Dantas, 37.50
38. Jobenemar Carvalho dos Santos, 37.50
39. Marcelo Bezerra Castro, 37.50
40. Maria Jose de Sousa, 37.50
41. Mario de Oliveira Gouvea, 37.50
42. Rafael Leite de Carvalho, 37.50
43. Tarcisio Arquimedes Araujo Carneiro, 37.50
44. Huston Araujo Dantas, 36.75
45. Cesar Weyne Batista de Souza, 36.50
46. Antonia Eudivania de Oliveira Silva, 36.25
47. Fabio Freire do Vale, 36.25
48.Francisca Romelia de Oliveira Silva, 36.25
49. Karine Moreira Gomes, 36.25
50. Ruy Damasceno Miranda, 36.25
51. Telma Silva The Freitas Amorim, 36.00
52. Andre Luis Silva de Miranda, 35.00
53. Erbenia Praciano Vidal, 35.00
54.Francisca Erika Barros Gonçalves, 35.00
55. Francisca Juliana Feitosa Soares, 35.00
56. Heldo da Silva Mendonca, 35.00
57. Maria Jerusileide de Sena do Nascimento, 35.00
58. Mayara Tamea Santos Soares, 35.00
59. Michael Medeiros Marques, 35.00
60. Paricia Pereira Cunha, 35.00
61. Diogo Barreto Batista, 34.50
62. Francisco Dagmauro do Nascimento, 34.25
63. Maria Edna Nogueira, 34.25
64. Esio Leite Lousada, 33.75
65. Francisca Emanuela Leitao Pereira, 33.75
66. Galba Faustino de Oliveira, 33.75
67. Iara Teixeira de Queiroz, 33.75
68. Jair Lima Fonseca, 33.75
69. Jose Pedro Silva de Sousa, 33.75
70. Josenira Unias Ribeiro, 33.75
71. Marcelo Rangel Pinheiro, 33.75
72. Mauricio Aquino Duarte, 33.75
73. Sonia da Costa Sales Souza, 33.75
74. Alecrides Jahne Raquel Castelo Branco de Senna, 33.50
75. Francisco Alexandre do Nascimento Rocha, 33.25
76. Ana Joza de Lima, 33.00
77. Delvan da Silva Soares, 32.75
78. Antonio Renato Gurgel Rodrigues, 32.50
79. Janara Ferreira Soares de Sena, 32.50
80. Jascira da Silva Lima, 32.50
81. Joane dos Santos Araujo, 32.50
82. Jorge Luiz Cunha Lima, 32.50
83. Katia Alves de Sa, 32.50
84. Roselandia Maria Gomes de Carvalho, 32.50
85. Rosemberg Batista de Araujo, 32.50
86. Antonio Marcos de Sousa Silva, 32.25
87. Wagner Antonio de Jesus de Brito, 31.75
88. Adelita Alves de Souza, 31.50
89. Barbara Diniz Lima Vieira e Silva, 31.25
90. Hugo Garbenio de Carvalho, 31.25
91. Leila Cristina Noleto Velozo, 31.25
92. Maria Aparecida Barbosa de Melo, 31.25
93. Raquel Araujo Monteiro, 31.25
94. Romulo Nobre de Lima, 31.25
95. Samia Parente Leite Luz, 31.25
96. Waldiane Sampaio Viana, 31.25
97. Jose Eudo Belem de Oliveira, 31.00
98. Luis Paulo Pinto Peixe, 31.00
99. Jose Luiz Rebouças Viana, 30.75
100. Carolina de Fatima Sopas Rocha, 30.50
101. Aline Barbosa Lourenco, 30.25
102. Cibele Nunes Rodrigues, 30.00
103. Edilio Quintino de Oliveira,30.00
104. Francisca Alzilandia Cardoso dos Santos, 30.00
105. Hermenegildo de Oliveira Araujo, 30.00
106. Julio Rangel Borges Neto, 30.00
107. Mariana Carvalho Costa, 30.00
108. Rubens Benedito da Silva, 30.00
109. Quiteria Elieuda Camelo de Lima, 29.75
110.Valeria da Silva Moura, 29.00
111. Ana Paula Rodrigues de Andrade, 28.75
112. Isaac Nazareno Paiva de Medeiros, 28.75
113. Manoel Moreira de Sousa Neto,28.75
114. Maria Cibelle Moreira de Araujo, 28.75
115. Mirney Bernardo Cavalcante, 28.75
116. Selma Santos Borges, 28.75
117. Jairo Jose dos Santos Junior, 28.50
118. Livia Maria de Paula Abreu do Amaral, 28.50
119. Maria Imaculada Sousa Barros, 28.50
120 Ana Paiva Andrade Alexandre, 27.75
121. Glenia Pereira de Lima, 27.75
122. Iara Danielle Ferreira Bandeira, 27.75
123. Michelle de Sousa Andrade, 27.75
124. Antonio Marques de Oliveira, 27.50
125. Carlos Diego Marques Rodrigues, 27.50
126. Carpegianni de Oliveira Silva, 27.50
127. Cicera Regilania Santos Morais, 27.50
128. Cleber Martins Freitas, 27.50
129. Emilia Alves de Castro, 27.50
130. Franciomar Silva dos Santos, 27.50
131. Francisco Stefeson da Silva, 27.50
132. Glauce Maria Viana Feitosa, 27.50
133. Marcelo Gadelha Kataoka, 27.50
134. Marcia Goiana de Lima, 27.50
135. Maria Valdeni Andrade, 27.50
136. Meiriane da Silva, 27.50
137. Viviana Cavalcante Pinheiro de Lima, 27.50
138. Wellingta Maria Vasconcelos Frota, 27.50
139.Francisco Fagner Braga Mendes, 27.25
140. Maria Ednanda Rodrigues Lopes, 27.25
141. Matuziany Peixoto Maia, 27.25
142. Elisangela Maria D Oliveira Sousa, 26.75
143. Fernando Antonio Maciel e Costa, 26.75
144. Daniela Maria de Sousa Costa, 26.50
145. Francisca Cipriano Pinheiro Neta, 26.50
146. Jeane Josino de Aquino Alves, 26.25
147. Roberta Ferreira Lima, 26.50
148. Liana Souto Araujo, 26.25
149. Adriany Alves Silva, 26.25
150. Albertina Maria Duarte Der Oliveira, 26.25
151. Andersson Silva de Almeida, 26.25
152. Andrea Cruz de Vasconcelos Maranhao, 26.25
153. Audacy Silva Costa, 26.25
154. Augusto Cesar Rodrigues de Farias Pinto, 26.25
155. Carlos Eduardo Torres Feitoza, 26.25
156. Clecivalda Caldas Feitosa, 26.25
157. Cydnara Ximenes de Melo, 26.25
158. Francisca Andrea Brito Furtado, 26.25
159. Francisco Vagner Lima Costa, 26.25
160. Gerlano Oliveira Alves, 26.25
161. Idelson de Almeida Paiva Junior, 26.25
162. Isrhael Victor Araujo Vasconcelos, 26.25
163.Josefa Cristina Lopes Soares, 26.25
164. Luciana Gaspar Peixoto, 26.25
165. Marcos Antonio da Silva Costa, 26.25
166. Maria Leoneide de Alencar Valdivino, 26.25
167. Maria Monica Sousa Leal, 26.25
168. Naila Maria da Silva, 26.25
169. Valdicia Falcao Sales, 26.25
170. Beethoven Simplicio Duarte, 26.00
171.Wellington de Sousa Madeira, 26.00.
172. Joselino Nogueira da Cunha, 25.75
173. Rosa Maria Fernandes Rolim, 25.75

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

III Encontro de Ciências Sociais

Está em processo de organização o III Encontro de Ciências Sociais do Estado do Ceará, o qual tem como objetivo principal congregar pesquisadores para a troca de conhecimentos produzidos no campo das Ciências Sociais. São promotores do evento professores das cinco instituições universitárias do Ceará que têm curso de graduação e pós-graduação em Ciências Sociais: UFC, UECE, UVA, URCA e UNIFOR.



O III Encontro de Ciências Sociais do Estado do Ceará tem como objetivo principal congregar professores e estudantes para a troca de conhecimentos produzidos no campo das Ciências Sociais. Objetiva também promover uma reflexão específica sobre a formação do cientista social.



Tendo em vista que a produção de conhecimentos no âmbito das Ciências Sociais transcende os espaços universitários formadores de cientistas sociais, e de acordo com o espírito de integração que anima a realização do encontro, as diversas atividades propostas – conferência, mesas redondas, grupos de trabalho – agregam pesquisadores de distintas especialidades, permitindo o exercício da interdisciplinaridade.



O Encontro constará de conferências, mesas redondas, grupos de trabalho, mini-cursos (estes, dirigidos aos professores de sociologia do ensino médio) e será realizado no período de 09 a 12 de Novembro do corrente ano, em Fortaleza, na Universidade Federal do Ceará, campus do Benfica.

http://sites.google.com/site/encontrocs2009/

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Pierre Bourdieu. La Sociología es un deporte de Combate. 2001. 1/3

Raízes do Brasil - Sérgio Buarque de Holanda

Gilberto Freyre

Documentário: Florestan Fernandes, O mestre.

SOCIOLOGIA DE DURKHEIM

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

A TRAVA DO DESENVOLVIMENTO: UM ESTUDO SOBRE A EDUCAÇÃO NO CEARÁ


EXCELENTE TRABALHO DO PROF.PEDRO SISNANDO LEITE, AVALIANDO A EDUCAÇÃO NO ESTADO DO CEARÁ....



Essas considerações gerais servem para evidenciar
a conclusão de que um componente para motivar
o desenvolvimento econômico do Ceará encontra-se
no adequado aproveitamento dos seus abundantes
recursos humanos. Para isso, naturalmente, há
necessidade da mobilização da capacidade mental
do povo cearense a ser fomentado pela inversão em
capital humano que, sem dúvidas, constitui o mais
valioso dos seus recursos. Tudo isso complementado
por políticas que favoreçam a criação de empregos
produtivos e tecnologias apropriadas ao desenvolvimento
econômico do Estado.
Por conseguinte, este livro destina-se a examinar
e analisar sinteticamente a situação e tendências demográfi
cas do Ceará e as aptidões de sua população
segundo o nível educacional.
É minha expectativa que todos os que lerem este
livro acreditem que, sem recursos humanos preparados,
jamais o Ceará será um estado desenvolvido.


_______________________________________________________
BAIXE AQUI
http://www.4shared.com/file/132645883/914a9d7c/A_TRAVA_DO_DESENVOLVIMENTO_PEDRO_SISNANDO.html


_________________________________________________________

domingo, 13 de setembro de 2009

ENADE DE 2008



ÚLTIMA PROVA DE ENADE PARA O CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS..
BOA SORTE A TODOS



BAIXE AQUI
http://www.4shared.com/file/132431264/ecb04acb/ENADE.html



________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Por um tipo gestionário das empresas do terceiro setor: gestão participativa


Segundo pesquisa realizada em 2007, em organizações não governamentais (ONGs) e em organizações da sociedade civil de interesse público (OSCIPs), verificou-se, se essas organizações executam de fato uma gestão participativa, contribuindo para uma transformação social. O debate que emerge dos discursos acadêmicos é a respeito de como é executada a gestão das organizações do terceiro setor. A partir de uma análise interpretativa e de conteúdo em ONGs e OSCIPs, este trabalho buscou abordar a gestão participativa e sua aplicação na gestão destas organizações, apresentando as origens do conceito do terceiro setor, seu desenvolvimento, características e especialização. A coleta de dados foi realizada por meio de questionário semi-estruturado, tendo como método a análise de conteúdo dos discursos dos entrevistados. O percurso teórico-empírico possibilitou a constatação de que existe participação por parte dos funcionários nas atividades, o que caracteriza uma busca da execução da gestão participativa, embora não de uma maneira plena, visto que na maioria das instituições não há a participação de todos os membros nas tomadas de decisões e identificou-se, em alguns casos, uma atitude de autoritarismo do gestor e uma predominância de hierarquia muito forte na gestão das ONGs e OSCIPs pesquisadas.


Fco. Tarciso Leite: Doutor, Professor e Pesquisador do Mestrado de Administração de Empresas da UNIFOR. Fundador e 1º Presidente da Academia de Ciência Sociais do Ceará. Diretor Presidente da Sociedade Brasileira de Estudos, Pesquisa e Tecnologia, (SBEPT), mantenedora do ISEPAT.
Ana Rita Nogueira: Mestre em Administração de Empresas da Universidade de Fortaleza – UNIFOR e Pesquisadora do Instituto de Estudos e Pesquisa Acadêmica e Tecnológica -ISEPAT e funcionária da Assembléia Legislativa do estado do Ceará.


BAIXE AQUI
http://www.4shared.com/file/131956371/1be22168/Por_um_tipo_gestionrio_das_empresas_do_terceiro_setor.html

TRABALHO SOBRE O "CLUBE DA LUTA"






POR JULIO CESÁR PARENTE PATROCÍNIO
ESTUDANTE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, UECE
E DE DIREITO NA UNIFOR

Com esse trabalho a nossa intenção era esclarecer o Clube da Luta e colocar um a luz sociológica sobre os assuntos mostrados na obra. Existem muitos assuntos de caráter social e psicológico dentre as temáticas expostas neste livro (que posteriormente se tornou filme). Os processos que se revelam durante a obra são extraordinariamente surreais, e mesmo assim se aproximam da realidade social da juventude no Brasil e do mundo, assim como um sonho pós-moderno de luxo e gloria se torna um pesadelo abissal de pequenos burgueses. Quem não comprou (muitas vezes) sem saber o sonho de ser um ator famoso, jogador de futebol, ou um herói nacional?! E agora sofre por descobriu que seu sonho foi vendido para milhões, que assim acharam que irão ser os herdeiros do mundo, mas só receberam os empregos de balconista, vendedor, operador de telemarketing, office-boy, garçom, guardador de carros.
Porém, esta obra reflete bem mais que a situação de uma classe social, reflete uma violência geral que é válvula de escape da tensão cotidiana de uma sociedade que já mostra sinais de que está podre e esclerosada. O que antes era papel de Deus hoje é do consumismo, que traz sentido para nossa existência....

BAIXE AQUI
http://www.4shared.com/file/131325325/60f641ac/CLUBE_da_LUTA.html

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

A FABRICAÇÃO DO REI



BURKE, Peter. A Fabricação do Rei: a construção da imagem pública de Luís XIV. Rio
de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

Por Georgia Chaves Mourão, estudante de História da Universidade Estadual do Ceará

Em A Fabricação do Rei, Peter Burke coloca em discussão o funcionamento da
máquina de propaganda real (oficial) na construção da imagem pública de Luís XIV, o “rei
Sol”, durante os 72 anos que compuseram o seu longo reinado (1643-1715), bem como os
meios, mecanismos e estratégias utilizadas para a melhor recepção por parte do público. A problemática do texto gira em torno da relação bastante estreita entre a arte e o poder, ou ainda, até que ponto a arte foi utilizada pela máquina de propaganda do poder real para divulgar e construir um “retrato” desse soberano lembrado ainda hoje como símbolo da monarquia absolutista francesa.



CLIQUE AQUI PARA BAIXAR

RESENHA CRÍTICA: AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA


No livro “As Veias Abertas da América Latina”, Eduardo Galeano nos presenteia
com o escopo analítico de exploração do “novo mundo” pelas nações mais civilizadas.
Acima de tudo ele nos traz o mote para a compreensão do desenvolvimento do que seria o
processo sócio-econômico e político “civilizatório” nas Américas.
O surgimento dessa obra na década de 70 fez-se num período tão obscuro para
América Latina, trazendo um hiato de liberdade assistida sem democracia. Neste momento
histórico, a produção intelectual não podia ousar pôr seus olhos críticos sob os temas
sociais dogmatizados sob pena de morte pelo novo Estado autoritário em franca ascensão....


BAIXE ESSE TRABALHO NA INTEGRA:

http://www.4shared.com/office/kpZS8ldS/file.html? 

Inclassificáveis - Arnaldo Antunes



que preto, que branco, que índio o quê?
que branco, que índio, que preto o quê?
que índio, que preto, que branco o quê?

que preto branco índio o quê?
branco índio preto o quê?
índio preto branco o quê?

aqui somos mestiços mulatos
cafuzos pardos mamelucos sararás
crilouros guaranisseis e judárabes

orientupis orientupis
ameriquítalos luso nipo caboclos
orientupis orientupis
iberibárbaros indo ciganagôs

somos o que somos
inclassificáveis

não tem um, tem dois,
não tem dois, tem três,
não tem lei, tem leis,
não tem vez, tem vezes,
não tem deus, tem deuses,

não há sol a sós

aqui somos mestiços mulatos
cafuzos pardos tapuias tupinamboclos
americarataís yorubárbaros.

somos o que somos
inclassificáveis

que preto, que branco, que índio o quê?
que branco, que índio, que preto o quê?
que índio, que preto, que branco o quê?

não tem um, tem dois,
não tem dois, tem três,
não tem lei, tem leis,
não tem vez, tem vezes,
não tem deus, tem deuses,
não tem cor, tem cores,

não há sol a sós

egipciganos tupinamboclos
yorubárbaros carataís
caribocarijós orientapuias
mamemulatos tropicaburés
chibarrosados mesticigenados
oxigenados debaixo do sol

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Dancem Macacos, Dancem...

Um filme que busca nos ajudar a refletir sobre nossa natureza, a natureza da humanidade.




http://www.youtube.com/watch?v=DRJqrLd7MrE

A herança política do período barroco no Nordeste.

A herança política do período barroco no Nordeste.




Profª Drª Lucili Grangeiro Cortez

A marcante influência da cultura barroca na colonização do Brasil pelos
portugueses, ao estabelecer maiores ligações das capitanias (depois províncias) do Norte
com o mercado Externo, em detrimento das ligações com o mercado Interno, gerou traços
específicos da cultura da Região, que podem ser identificados, também, pelos 30 anos do
domínio holandês com a invasão das terras do Maranhão a Pernambuco.
Podem ser constatados elementos do barroco no Brasil trazidos pela cultura Ibérica -
principalmente da Espanha e de Portugal - através da pintura, da escultura, da literatura e da
religião, como também da política. O cunho político e ideológico prende-se à influência do
movimento da Contra-Reforma, que vem para o Brasil com os jesuítas desde o período
colonial, influenciando a formação moral e cultural da sociedade brasileira. Há uma nítida
influência da literatura portuguesa através do estilo religioso do padre Antônio Vieira, entre
outros, e na literatura brasileira da poesia de Manuel Botelho de Oliveira e Gregório de
Matos, de Cláudio Manuel da Costa e Alvarenga Peixoto. (cf. Delta Larousse, verbete
Barroco, pp. 250 a 252; Vieira, 1955 e ver outros autores...).
A invasão da colônia pelos holandeses em março de 1627 e a permanência do
Príncipe Maurício de Nassau, que vem ao Brasil como “governador” das terras
conquistadas pela Companhia de Jesus nos anos de 1637 a 1642, ainda repercutem na
organização espacial e social da Região, cujos reflexos são analisados pelo Pe. Antônio
Vieira no “Papel forte” apresentado a D. João IV, aonde propõe a entrega de Pernambuco
para conseguir um armistício. (1) ( Vieira, 1955, pp. 337 a 402 e Mello, 1987).




Para baixar o artigo na integra clique aqui:
http://www.4shared.com/file/130080917/f5cf671c/A_herana_poltica_do_perodo_barroco_no_Nordeste.html

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

exemplo de como a arte pode ser vir ao interesses da política

Desenho animado do Pato Donald feito em 1943 satirizando a Alemanha Nazista de Hitler
Venceu o Oscar de Melhor Curta metragem do mesmo ano

O CLÁSSICO MANIFESTO DO PARTIDO COMUNISTA, SÓ QUE EM DESENHO ANIMADO...MUITO DIDÁTICO

TRABALHO INTERESSANTE SOBRE A TEORIA DE GRAMSCI FEITO PELOS ALUNOS DE Serviço Social - UECE/2007.2...PARABÉNS A TODOS

ótimo video de Fortaleza na década de 20

Você sabe com quem está falando?

ÓTIMO CLIPE QUE FALA DO PENSAMENTO DO PROFESSOR ROBERTO DA MATTA
CARNAVAIS MALANDRO E HERÓIS...

O OLHAR DO LEVIATÃ SOBRE A TERRA DO SOL: Instrumentos de monitoramento político no estado de exceção no Ceará


RESUMO
“Fale baixo, alguém pode estar nos ouvindo”, essa frase foi provavelmente dita várias
vezes por pessoas que se julgavam monitoradas pela Ditadura Militar no Brasil (1964-1984).
Outros sequer tomaram conhecimento de que suas vidas e suas carreiras profissionais
dependiam das informações sigilosas dos órgãos de inteligência do Estado. Esse trabalho
resultou dos achados da pesquisa A representação Simbólica do Parlamento Cearense e toma
como base a série de reportagens publicadas no jornal “Diário do Nordeste”, intituladas de
“Segredos da Ditadura”, que resultou de 20 pastas de documentos confidenciais e sigilosos
dos arquivos do DOPS (Departamento da Ordem Política e Social) e dados de repartições
federais com ampla documentação encontrados em Fortaleza, em muito bom estado de
conservação e datados do período de 1964 a 1987. Segundo fonte que não revelada pelo
Jornal, o material seria destruído, mas foi resgatado por militantes de esquerda, cujas
identidades também foram preservadas. Portanto, este artigo tem como objetivo analisar os
mecanismos do Estado de Exceção para controlar os atos dos parlamentares cearenses que
tiveram suas vidas monitoradas pelos aparelhos de inteligência, através de indivíduos
infiltrados em diversas instituições da sociedade cearense e nas entidades e espaços
considerados subversivos.
Palavras chaves: Estado, subversão, monitoramento, representação, esquerda.

http://www.4shared.com/file/129779538/e5334cc5/O_OLHAR_DE_LEVIAT_SOBRE_A_TERRA_DO_SOL.html

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

O cantador que dizia mentira para falar a verdade: Um retrato social do sertanejo empobrecido através da literatura de cordel


Por natureza o homem se difere dos animais dos quais transcendeu, mas como disse
Max Weber, a aranha criou teias para prender suas presas e o homem criou teias para se
prender neste mundo, e essas teias são a cultura. A principal ferramenta de sobrevivência do
homem é sua capacidade de pensar, e racionalizar o mundo que o cerca, traçar estratégias. É
nesse sentido que essa pesquisa trabalha, observando e analisando essa teia de sentidos e
estratégias que o personagem do sertanejo nordestino retratado na literatura de cordel tece
para se fixar nesse mundo, suas representações sobre a condição de pobreza, que aos nossos
olhos permeia seu viver.

Faça o download nesse endereço:
http://www.4shared.com/file/129779535/9b823078/O_CANTADOR_QUE_DIZIA_A_MENTIRA_PRA_FALAR_A_VERDADEilustra.html

Um dia teremos uma cama de couro, igualzinha a de Seu Tomás


Um dia teremos uma cama de couro, igualzinha a de Seu Tomás:
Analise sociológica comparativa do filme “Quem quer ser um milionário?” do diretor Danny Boyle e “Vidas secas” do diretor Nelson Pereira dos Santos, adaptado da obra homônima de Graciliano Ramos


Pedro Jorge Chaves Mourão



O que há de similar entre essas duas histórias distintas? De um lado temos Fabiano, sertanejo branco, de olhos azuis, cujo rosto o sol forte queimou, do outro temos Jamal Malik, um jovem indiano, órfão, miserável, que é forte candidato na fila da indigência. Nas duas obras o plano de fundo é basicamente o mesmo. Os heróis vivem em uma extrema miséria e lutam contra as condições desfavoráveis do meio que lhes cerca. Numa terra de disparidades, histórias de tensão crítica entre o homem e o meio social, de nobres e miseráveis, onde o “céu” e “inferno” convivem lado a lado. Fanatismo religioso, miséria, desigualdade social, violência, aparecem no decorrer das histórias, mas de formas diferentes.

Você pode baixar esse artigo em:
http://www.4shared.com/file/129781288/446c3cb5/Um_dia_teremos_uma_cama_de_couro_igualzinha_a_de_Seu_Toms.html

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Uma panorâmica no curso de ciências sociais


ASSISTA UMA EXPLICAÇÃO GERAL SOBRE O CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAS FEITA PELOS ALUNOS

http://www.youtube.com/watch?v=X1cri81mqj0&feature=related

Artigo escrito para o jornal Correio do Ceará, fazendo uma breve analise sobre a violência juvenil hoje


Delinqüência juvenil na contemporaneidade:
Um rascunho do descascar da Laranja Mecânica


Por: P.J. Chaves Mourão, Graduando em Ciências Sociais na UECE, membro do Grupo de Estudos da Conjuntura e das Idéias Políticas (G.E.C.I.P-UECE) , e do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão Gestão Pública e Desenvolvimento Urbano (G.P.D.U-UECE)


“-Tu tem as costas quentes é bichão?!
-Tô aprendendo a ter!”
(Dialogo real entre um transeunte
e um jovem residente em um condomínio
de luxo na Aldeota, bairro de classe média
de Fortaleza. Depois de ter quebrado
o portão do condomínio em que reside
com um carro em alta velocidade. )

Com as noticias que nós chegam, percebemos o crescimento da violência juvenil ou de sua exposição na mídia, como no caso dos jovens que atearam fogo no corpo do índio Galdino, o qual estava dormindo num ponto de ônibus na cidade de Brasília; o caso da jovem Suzane Richthofen, estudante de Direito e procedente de família abastada, que maquinou o assassinato dos próprios pais; outro caso recente foi o dos jovens que espancaram uma trabalhadora doméstica em um ponto de ônibus, pois julgavam que ela fosse uma prostituta. Esses casos de violência tiveram uma grande divulgação na mídia nacional por se tratarem de atos realizados por jovens que, no olhar do senso comum, têm um alto nível de educação e não passam por privações materiais.

Você ler o restante em:
http://www.4shared.com/file/129779536/28b61c2/Delinqncia_juvenil_na_contemporaneidade-PJ_MOURO.html

Um trabalho panorâmico sobre o hibrido cultural


O Curinga imaginário:
Ensaio sobre o híbrido cultural e uma nota pessoal



Pedro Jorge Chaves Mourão
Graduando em Ciências Sociais-licenciatura, 6° semestre (UECE), bolsista IC/UECE. Pesquisador do Grupo de Estudos da Conjuntura e das Idéias Políticas/GECIP. E-mail: pjmourao_cs@hotmail.com


“Eu não sou cristão, eu não sou ateu. Não sou japa, não sou chicano, não sou europeu. Eu não sou negão, eu não sou judeu. Não sou do samba nem sou do rock, minha tribo sou eu. Eu não sou playboy, eu não sou plebeu, não sou hippie, hard, skin-head, nazi-fariseu. A terra se move, fala o Galiléu. Não sou maluco, não sou careta, minha tribo sou eu. Pobre de quem não é cacique, nem nunca vai ser pajé”.(Zeca Baleiro)



INTRODUÇÃO

Os híbridos sempre foram alvos de estudos nas diversas áreas da ciência, seja ela social ou biológica, em decorrência do medo e do mistério que guarda a figura do mestiço nas diversas culturas humanas. O mistério da mistura sempre fascinou os homens que acreditavam que era na formação das misturas que surgia o novo, o qual nem sempre era visto com bons olhos pelos mais conservadores. O que é tolerado, aceito, ou recusado é definido pela cultura de cada sociedade em dado momento histórico, e não necessariamente se transforma em algo incorporado pela sociedade ou legitimo para o Estado. Surge então o homem marginal (the marginal man), marginal não no aspecto de viver à margem da sociedade, mas sim no sentido de transitar entre duas ou mais culturas ou sistemas simbólicos sem si sentir agregado a nenhum. A figura do mestiço, o novo, o desconhecido, fascina e amedronta quem o olhar, pois é no desconhecido que nós, seres humanos enxergamos a nossa própria ignorância. Muitos pensadores e cientistas tentaram compreender os significados do híbrido, nesse ensaio não busco romper com nenhuma tradição de pensamento, pois creio que todos eles contribuíram para a ciência no seu devido tempo. Desejo sim acrescentar um novo olhar, mais amplo para a gênese desse objeto. De maneira que, neste trabalho busco fazer uma “costura” entre esses diversos pontos de vista sobre “o que significa o mestiço”. Portanto, este artigo tem como objetivo analisar os mecanismos de formação do mestiço cultural através de relatos etnográficos, históricos e literários, interpretando o signo do mestiço através da antropologia interpretativa de Clifford Geertz, mas sem abrir mão de outras teorias e etnografias que ajudaram a compor o espectro do objeto, como “Racismo & Racistas: trajetória do pensamento racista no Brasil”, organizado por Eni de Mesquita Samara e a sociologia histórico-reflexiva de Bourdieu.


Você pode baixar esse artigo em:
http://www.4shared.com/file/129779534/ec8500ee/O_CURINGA_IMAGINRIO__ensaio_sobre_o_mestio_tnico_e_uma_.html